vuelvo al sur


Vuelvo Al Sur
Vuelvo al Sur,
como se vuelve siempre al amor,
vuelvo a vos,
con mi deseo, con mi temor.
Llevo el Sur,
como un destino del corazon,
soy del Sur,
como los aires del bandoneon.
Sueño el Sur,
inmensa luna, cielo al reves,
busco el Sur,
el tiempo abierto, y su despues.
Quiero al Sur,
su buena gente, su dignidad,
siento el Sur,
como tu cuerpo en la intimidad.
Te quiero Sur,
Sur, te quiero.
Vuelvo al Sur,
como se vuelve siempre al amor,
vuelvo a vos,
con mi deseo, con mi temor.
Quiero al Sur,
su buena gente, su dignidad,
siento el Sur,
como tu cuerpo en la intimidad.
Vuelvo al Sur,
llevo el Sur,
te quiero Sur,
te quiero Sur…

não ouvi dizer – estive lá

os ornatos violeta tocaram tudo num concerto com 3 ou 4 encores de 3 ou 4 músicas. não sei os nomes dos integrantes todos da banda. gosto disso. parece-me que é a minha forma de gostar de ornatos. nada de grandes detalhes. gosto muito do disco o monstro precisa de amigos, isso também é certo. para mim é o que tem a categoria maior. muito inventivo e único.

foi uma noite de festa, onde tudo aconteceu – vale muito a pena ler a blitz, que conta até este momento, tão especial:

(…) os Ornatos chamaram a palco não uma estrelita do momento, não um convidado ilustre, mas um “cavalheiro” que, na plateia, pedia com um singelo cartaz para tocar com a banda a canção “Deixa Morrer”. O seu desejo foi cumprido (para estupefação do próprio João, um sorriso do tamanho do mundo com uma t-shirt dos Beatles vestida) e a canção, uma das mais belas de Monstro, seguiu com dedicatória especial para a sortuda Beatriz (…)

e eles não tocaram fim da canção por último. sorte que não estava um casino. sem saber que estava no alinhamento eu achava que era com ela que terminariam o concerto.

portanto, ou muito me engano, ou não foi o fim da canção.

parisienne walkways

não sou muito fan de gary moore. conheço still got the blues e pouco mais. mas hoje,   não sei porque, deu vontade de ouvir os bendings dele. calhou ouvir parisienne walkways. e pronto, soube pelo youtube que ele já não está entre nós desde 6 de fevereiro de 2011.

keane campo pequeno 20-10-2012


não gosto de tudo de keane. mas gosto muito de this is the last time. acho que busco neles aquela primeira impressão que tive ao ouvi-la. adoro a linha melódica e harmónica, basicamente. só prestei atenção na letra durante o concerto, eu acho. o conceito de keane é interessante. quatro gajos e três instrumentos: piano, baixo e bateria. às vezes há uma guitarra.